PALAVRA DO DIA NO BLOG DO PR. ABILIO

"O SENHOR É O MEU PASTOR E NADA ME FALTARÁ"

"O SENHOR É O MEU PASTOR E NADA ME FALTARÁ"

PALAVRA DO DIA NO BLOG DO PR. ABILIO





terça-feira, 10 de novembro de 2009

LIÇÃO 7 - A EXPANSÃO DO REINO DAVÍDICO


.












LIÇÃO 7 – A EXPANSÃO DO REINO DAVÍDICO
Pr. Abilio Carlos dos Santos

Introdução


Davi, um homem segundo o coração de Deus, lutador e com a direção do Senhor estabeleceu o reino glorioso de Israel. Sua vida sempre foi uma combinação de virtude espiritual com espírito guerreiro, muito esperto na área militar.


I – A NOVA SEDE DE UM NOVO REINO


1. Jerusalém e sua posição estratégica


Jerusalém, conquanto fosse herança dos filhos de Benjamim – Js 18.28 – esteve em mãos dos jebuseus até o reinado de Davi. A importante fortaleza de Jebus, no Monte Sião, era um centro estratégico, ideal para capital e facilmente fortificado. Enquanto permanecesse em mãos inimigas, perigava a segurança da palestina central e meridional.


Joabe, juntamente com poucos soldados, entraram na fortaleza, e recebeu a promessa de Davi, sendo conclamado Capitão do Exército de Israel. Davi fez dela a sua cidade, a cidade de Davi, edificando, reformando e construindo fortalezas ao seu redor.


2. Jerusalém e sua importância histórica


A. A Cidade Santa desde seus primeiros dias


Jerusalém teve em seus primeiros dias o nome de Jebus, a capital e principal cidade dos Jebuseus, um dos povos canaanitas que viviam na região antes da conquista de Israel e da saída do povo do Egito.


Há quem afirme que sua origem seja ainda mais antiga, seus primeiros dias teria sido relatados em Gn 14.18, onde foi chamada de Shalem a cidade reino de Melquisedek o Rei da Justiça, o significado de Shalem é "Completa" e está intimamente relacionado com dos significados do nome Yerushalaim.


Segundo esta visão, os Jebuseus na realidade haviam conquistado a colina hoje conhecida como Cidade de Davi, então chamada Monte Sião, transformando-a em uma cidade que antes servia ao Deus Vivo no centro de culto pagão dos jebuseus, fonte de idolatria caananeia e implantado ali bem próximo, no vale de Hinom o sacrifício de crianças ao deus Molech, uma representação de Satanás na terra. Este fato representaria a tentativa demoníaca de assumir o trono na cidade do Grande Rei.


Esta tese seria a melhor explicação para compreendermos o interesse de Davi por esta pequena cidade no coração da Judéia e no desejo de conquistá-la. Davi que podia ter muitos defeitos foi chamado de “o Rei segundo o Coração de Deus” por buscar incessantemente fazer a vontade do Altíssimo, sendo assim, a conquista de Jebus não passaria de uma obediência a vontade divina e o trazer de volta ao Senhor aquilo que o pertencia. Davi em sua conquista estaria retornando a Cidade Santa ao Senhor.


A conquista da Cidade pelas mãos de Davi se deu por cerca de 999 A.C e ele a tornou a Capital de seu Reino Unido ( Judá e Israel ).


B. A cidade de Jerusalém terrestre ainda tem um papel no futuro


Quando Cristo voltar para estabelecer o seu reino milenar - Ap 20.1-6, Ele porá o seu trono na cidade de Jerusalém.


Depois do julgamento do grande trono branco - Ap 20.11-15, a Jerusalém celestial descerá à nova terra como a sede do reino eterno de Deus - Ap 21.2.


Os livros do Novo Testamento repetem boa parte do significado da Jerusalém do Antigo Testamento, mas com uma nova aplicação: de uma cidade terrena para uma cidade celestial. Noutras palavras, Jerusalém, como a cidade santa, já não estava mais aqui na terra, mas no céu, onde Deus habita e Cristo reina à sua destra; de lá, Ele derrama as sua bênçãos; e de lá, Jesus voltará. Paulo fala a respeito de Jerusalém “que é de cima” - Gl 4.26.


O livro de Hebreus indica a respeito que, ao virem a Cristo para receber a salvação, os crentes não chegaram a uma montanha terrestre, mas “ao monte de Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial” - Hb 12.22.


E, ao invés de preparar uma cidade na terra para os crentes, Deus está preparando a nova Jerusalém, que um dia descerá “do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido” - Ap 21.2.

II – UM REINO CRESCENTE DESPERTA INIMIGOS

O povo de Israel estava unido e Davi firmara-se como rei. As vitórias e conquistam eram grandes. Davi derrotou os jebuseus. Os filisteus alarmados com a marcha dos acontecimentos decidem esmagar Davi, mas foram derrotados por duas vezes – II Sm 5.17-25 – A vitória de Davi foi, pois, devida à presença de Deus. Todos eram agraciados com as bênçãos materiais e espirituais.


Davi ajudado por 30.000 homens trouxe a Arca de Quiriate-Jearim onde estivera quase oitenta anos. Provisoriamente a Arca esteve na casa de Obede-Edom, o geteu, durante três meses. Três meses depois Davi vai buscar a Arca e trá-la, cheio de alegria, para a sua cidade. Desta vez, com a aprovação de Deus oferecem-se sacrifícios de louvor e ações de graças – I Cro 15.25-29.


III – NOVO REINO, NOVOS ALVOS A ALCANÇAR


Davi foi um rei exemplar e muito admirado pelo povo. Colocou sempre as coisas espirituais em primeiro lugar. Ao chegar ao trono, sua grande preocupação foi cuidar da Arca da Aliança e do Culto ao Senhor. Maravilha!


Davi foi falho como qualquer um de nós, é verdade, mas sempre amou o Senhor buscando a Sua presença e adorando-O. O reinado de Davi tornou-se forte e estável.



.


CONVITE:


Participe conosco da Escola Bíblica
Av. Áurea, 52 – Vila Helena
Santo André – SP
Aos sábados das 19.00 hs às 21.00 hs


.

.
Postar um comentário